As Últimas da FVee Brazil

Notícias, destaques e os fatos mais recentes da Formula Vee Brazil.

A incrível história do americano que criou a Fórmula Vee: trabalhou no Brasil e sua ligação com a Ferrari

A incrível história do americano que criou a Fórmula Vee: trabalhou no Brasil e sua ligação com a Ferrari

Funcionário da Pan Am, Hubert L. Brundage deu início à categoria após ajudar na 
construção do aeroporto de Belém e contratou ex-projetista da escuderia italiana.

Por Fernando Santos

 

Afinal, onde e como nasceu a Fórmula Vee?

Esta é uma das perguntas mais comuns entre as pessoas que convivem na categoria, hoje com 61 anos de história no mundo. EUA e Alemanha são apontados como os pioneiros das famosas “baratinhas” ou “charutinhos” que resistem atualmente em dezenas de países. O mais curioso é a ligação de seu criador com o Brasil e também com a Ferrari.

A resposta sobre a origem da FVee começa nos EUA. No final dos anos 1950, houve uma escalada nas corridas de automóveis no país, impulsionada pela chamada Fórmula Júnior. Estes foram os primeiros carros construídos pelos americanos como porta de entrada para o mundo dos monopostos. Mas ao mesmo tempo em que crescia o interesse, subiam também os custos.

Um dos pilotos na época era Hubert L. Brundage, que tinha como principal desejo competir com um carro rápido e barato, para não afetar seu baixo orçamento nas corridas. Vencer e conquistar títulos não eram bem a sua maior qualidade. Segundo dados da Racing Sports Car (https://www.racingsportscars.com/), o americano foi um piloto sem nenhum resultado expressivo. Disputou apenas 12 provas e não venceu nenhuma de acordo com os registros de 1950 a 1955. Seu melhor resultado foi um oitavo lugar.

Na época de suas últimas corridas, Brundage estava com 44 anos. Ele já era dono de uma concessionária VW em Miami e também tinha uma fábrica de ferramentas. Mas as corridas de automóvel não eram a sua única paixão. Ele era um grande amante da fotografia.

Brundage começou a se apaixonar pela arte das fotos em seu primeiro emprego. Durante 14 anos, trabalhou na Pan American Airways. Ele entrou na empresa aérea de aviação com apenas 17 anos e atuou em diversas atividades. E como estava frequentemente em viagens, começou a registrar tudo em sua máquina fotográfica.

 

Escala no Pará com o general Dutra

Uma dessas viagens foi para o Brasil. Na década de 1930, Brundage foi mandado para Belém, no Pará, onde trabalhou na construção do aeroporto no bairro de Val-de-Cans. O objetivo do americano era assegurar que a pista poderia receber as aeronaves da Pan Am, num momento histórico e estratégico para a aviação americana, com o crescimento dos voos comerciais.

 

O Sikorsky S42 (apelidado de "Brazilian Clipper"), avião utilizado pela Pan American Airways para as rotas ao Brasil na década de 1930 (crédito: Smithsonian National Air and Space Museum (NASM)/Divulgação), seguido da imagem do Aeroporto de Belém na década de 1930 (crédito: United States Library of Congress's Prints and Photographs division/Diculgação) e o americano Hubert Brundage, em foto durante a construção do aeroporto de Belém, no Pará (crédito: The Brundage Archive/Reprodução site oficial).

 

O aeroporto de Belém foi construído sob as ordens do então general Eurico Gaspar Dutra, que viria a se tornar presidente do Brasil de 1946 a 1951. Dutra era o diretor da Aviação Militar do Exército Brasileiro, responsável pela escolha do local e execução das obras, de acordo com a Infraero (clique aqui, para conhecer a história do Aeroporto Internacional de Belém).

A partir de 1939, com o início da Segunda Guerra Mundial, o aeroporto de Belém serviu de base para aviões militares americanos e canadenses rumo ao norte da África e Europa. O prodígio Brundage trabalhou para a Pan Am até 1940. Seu último escritório foi em Miami, onde deixou o cargo no departamento de desenvolvimento de aeroportos. Suas fotos estão guardadas e à venda no The Brundage Archive (http://www.brundagearchive.com/).

 

Mamma mia: o elo perdido da Ferrari

No final dos anos 1950, as provas de automóvel ganhavam força na Flórida e em estados vizinhos. Entre vários modelos utilizados nas corridas, Brundage dispunha de um Beetle, como os americanos chamam, até hoje, o Fusca. Sem conseguir bons resultados e impressionado com o crescimento do automobilismo, e também dos seus custos, ele passou a se dedicar a encontrar uma forma mais barata de competir.

 

 

Os primeiros protótipos de um FVee fabricados pelo italiano Enrico Nardi a pedido do americano Hubert Brundage (crédito: The Brundage Archive/Reprodução Formula Vee US). 

 

Não está claro, de acordo com fontes oficiais, como Brundage deu o passo decisivo para a criação da Fórmula Vee. Historiadores americanos relatam que Brundage procurou o italiano Enrico Nardi, um famoso piloto e construtor de carros de corrida. Nascido em Bologna, este pioneiro do automobilismo ganhou fama ao projetar na década de 1930 o “Nardi-Monaco Chichibio” e, após trabalhar na Lancia, fez sucesso também na Ferrari, de 1937 a 1946.

Nardi se tornou ainda uma referência em design por seu trabalho na scuderia italiana. O volante clássico e refinado que leva seu nome é um dos itens mais procuradores por colecionadores. No site oficial da Ferrari, uma réplica é vendida por 3.500 euros, cerca de R$ 21 mil. Apenas o volante!

Segundo relato de Joaquim Lopes Filho em seu conhecido “Blog do Joca”, de acesso restrito, com o texto específico disponível no portal Lorena GT em http://www.lorenagt.com/formulave/021-nascimento.htm, o encontro teria sido casual: Brundage fez uma viagem de negócios à Itália, onde conheceu o famoso fabricante italiano de máquinas de corrida. O americano ficou então “impressionado” com os carros de Nardi e fez a encomenda de um modelo para adaptar componentes baratos da VW ao Fórmula Júnior, como escreveu o blogueiro.

Em se tratando de um empresário bem sucedido, viajado e com conhecimento no mundo do automobilismo, o mais provável é que Brundage já conhecia ou teria recebido a indicação do fabricante italiano com passagem importante pela Ferrari e reconhecido internacionalmente. De qualquer forma, o resultado deste encontro foi a montagem de dois carros, entre 1958 e 1959, seguindo a orientação estrita de produção de um monoposto de baixo custo.

 

À esquerda, o primeiro FVee da história restaurado pelo filho de Hubert Brundage (crédito: The Brundage Archive/Reprodução Formula Vee US).
À direita, o interior de uma Ferrari clássica com o famoso volante criado por Enrico Nardi, o designer e projetista que construiu o primeiro Fvee (crédito: Reprodução site oficial da Ferrari).

 

Quase tudo do Fusca foi utilizado, como motor, câmbio, freios, rodas e a suspensão, que se tornou o cartão de visitas da categoria. Até hoje, um Fórmula Vee é reconhecido em todo o mundo pela sua suspensão dianteira, de barras paralelas horizontais.

 

Sonho realizado na terra da Disneyworld por 1 dólar

Mas o resultado inicial foi uma completa decepção. O chassi Nardi com os componentes de um Beetle (Fusca) 1200 cc resultaram num carro pesado e lento, que não oferecia perigo ao Fórmula Júnior. Brundage sugeriu até mesmo a criação de uma nova categoria nos EUA, exclusiva para seus vagarosos bólidos, sem sucesso. O pior, segundo historiadores americanos, foi a ameaça vinda de Wolfsburg, sede da VW, proibindo qualquer menção à fabricante alemã nestes novos carros.

Na ocasião, Brundage já havia transferido seus negócios para Jacksonville, no norte da Flórida. Estima-se que ele chegou a ter cerca de dez carros em competições no estado americano. Pouco antes de sua morte, ele vendeu os dois protótipos criados por Enrico Nardi por apenas um dólar. Os compradores foram dois visionários: George Smith, coronel da Força Aérea americana e dirigente da SCCA (Sports Car Club of America), e William “Bill” Duckworth, dono de uma oficina mecânica em Orlando. Em 1962, os dois fundaram a FormCar, que se transformaria no embrião da Fórmula Vee. Brundage morreu em 1964, em Jacksonville.

O carro rápido e barato sonhado pelo americano que ajudou a construir o aeroporto de Belém começou a ganhar vida nas mãos habilidosas de Duckworth. Para isso, ele trabalhou em dezenas de protótipos até chegar a um modelo que conquistaria o mundo.

Três carros construídos numa pequena oficina mecânica viraram realidade na terra dos sonhos, hoje a Disneyworld. Batizados como protótipos 62-2, 62-3 e 62-4, as máquinas de Orlando abriram os olhos de competidores e equipes ao conquistarem os três primeiros lugares numa prova disputada no Effingham Raceway, na Geórgia. Os FormCars, com apenas 34 hp, superaram carros que chegavam a 100 hp como Porsche 356, Triumph TR 3 e Austin Healeys, entre outros.

Os carros do coronel Smith e do mecânico Duckworth passaram a ser chamados de Formula Vaus (devido à origem alemã de suas peças). Mas os sucessivos e vitoriosos resultados levaram à criação de uma nova categoria, para separar dos demais modelos nas provas em que participavam.

 

Nascia a Formula Vee Racing Association, fundada em 1964.

 

A invasão mundial e o reconhecimento da VW


Bill Duckworth fechou sua oficina mecânica para abrir uma fábrica de FVee. Ele construiu dezenas de carros, vendidos não apenas nos EUA, mas também exportados para Alemanha, Inglaterra, Holanda, França, Suécia, Itália, Áustria e Suíça, de acordo com o histórico publicado em http://formcarregistry.com/.

O sucesso na Europa se deu através da Porsche, muito provavelmente após constatar as seguidas derrotas de suas poderosas máquinas para estas simples e baratas. A montadora de Stuttgart notou ainda o atrativo das novas corridas e levou para a Alemanha os carros fabricados nos EUA, ativando o mercado para jovens pilotos. Além disso, viu na FVee uma maneira de incentivar o automobilismo, que logo se espalhou pelo Velho Continente. Vários países tornaram-se fabricantes de chassis, entre eles a Áustria, que se notabilizou como um dos principais construtores, com a Kaimann Racing Team. Foi lá que começou a carreira vitoriosa do austríaco Niki Lauda, que se tornaria tricampeão mundial de Fórmula 1.

 

No destaque, o piloto Niki Lauda em seu início no automobilismo, na equipe austríaca Kaiamann de Fórmula Vee, em 1969 (crédito: Kaiamann Racing Team).
Na imagem principal, o carro estilizado pela Fórmula Vee Brazil em homenagem a Niki Lauda (crédito: Claudio Larangeira).

 

Reticente no início em ter seu nome vinculado ao projeto, a Volkswagen abraçou a Fórmula Vee em sua chegada à Alemanha. Não há registro de grandes investimentos, provavelmente apenas apoio em peças. Futuramente, a empresa acelerou, bancando, por exemplo, a criação da Fórmula Super V no Brasil, na década de 1970, com patrocínio e altos investimentos em mídia. Hoje, muitos ainda acreditam que a categoria deve seu nome à montadora alemã, que ficou com a fama não necessariamente por sua contribuição inicial. 

 

Hall da Fama e um achado histórico nos classificados


Como reconhecimento por seu trabalho na criação da Fórmula Vee, o americano Hubert L. Brundage teve seu nome perpetuado no Hall da Fama da SCCA, onde é descrito como um homem que “nasceu com óleo nas veias, graxa sob as unhas e fumaça nos pulmões”. Para lembrar seu nome, a cada cinco anos é disputada nos EUA a Brundage Cup de FVee, considerada pela entidade esportiva americana como “a categoria mais popular até os dias de hoje”.

 

O primeiro FVee da história, restaurado por Jan Brundage, filho do pioneiro Hubert Brundage durante evento nos EUA em comemoração aos 40 anos da categoria (crédito: Formula Vee US).

 

Anos depois do boom da Fórmula Vee pelo mundo, aquele primeiro carro encomendado por Brundage ao italiano Nardi foi achado por acaso pelo filho do americano. Jan Brundage seguiu a carreira do pai e se tornou dono de concessionária VW, Porsche e Mercedes-Benz em Pompano Beach, que também de forma curiosa em outra relação histórica da categoria com o Brasil, é a cidade na Flórida que registra o maior número de brasileiros, segundo a Wikipédia. Jan encontrou o primeiro FVee da história à venda na Pensilvânia numa seção de classificados da revista Auto Week. Ele comprou e restaurou o carro, que hoje participa de eventos comemorativos.

 

Das páginas da revista para as pistas no Brasil


Depois de EUA e Europa, a chegada da Fórmula Vee ao Brasil foi num piscar de olhos, também ao folhear uma revista. Segundo o jornalista Luiz Alberto Pandini, em relato publicado no site Projeto Motor (http://projetomotor.com.br/formula-ve-o-campeonato-do-povo-categorias-nacionais-perdidas-2/), a FVee foi introduzida no país pela influência de um outro jornalista: Matthias Petrich, brasileiro de origem alemã, correspondente da revista Auto Esporte na Europa nos anos 1960. Várias publicações da revista incentivaram pilotos e equipes a montarem seus Fórmula Vee no Brasil. Alguns desses artigos estão disponíveis no site http://www.lorenagt.com/formulave/index.htm, que oferece o mais completo arquivo dos primeiros anos da categoria no país.

 

No destaque, Emerson Fittipaldi a bordo do Fitti-Vê, em 1967, na primeira temporada da FVee no Brasil (crédito: Reprodução revista Auto Esporte). E, na imagem principal,
o grid de largada da primeira prova de Fórmula Vee no Brasil, no Rio de Janeiro, em 1967 (crédito: Reprodução revista Auto Esporte).

 

A primeira prova no Brasil foi disputada em 14 de maio de 1967, no Rio de Janeiro, com vitórias de Emerson Fittipaldi nas duas baterias, a bordo do carro mais famoso da história da categoria, o Fitti-Vê, construído por seu irmão, Wilson Fittipaldi Júnior.

 


Entre vários fabricantes na época, também ficaram marcados o Aranae-Vê (inspirado no renomado Kaimann austríaco), Jajá-Vê, Spadacchini-Vê, entre outros. Para os Fittipaldis, construir um Fórmula Vee não foi por acaso. Os dois irmãos vinham de uma família que já era tradicional no automobilismo brasileiro, graças à influência do pai, o “Barão” Wilson Fittipaldi. Ele foi um dos principais nomes do esporte como piloto, construtor de carros, organizador de provas, repórter e reconhecido locutor da rádio Panamericana (hoje, a Jovem Pan). Logo cedo, Wilsinho, o filho mais velho nascido no dia de Natal de 1943, já colocava a mão na massa na construção de karts e de carros como o famoso Fusca com dois motores.

 

 

Salto para a Fórmula 1


Emerson, Wilsinho e também o amigo José Carlos Pace souberam aproveitar toda a experiência familiar no automobilismo e a oportunidade da FVee como um trampolim para a Fórmula 1, construindo assim a fama de uma categoria formadora de pilotos e campeões. Emerson se consagrou como bicampeão mundial na F1 e campeão na F-Indy, onde venceu por duas vezes as 500 Milhas de Indianápolis. Pace foi o primeiro brasileiro a vencer na F1 em casa, em Interlagos. Anos mais tarde, com a criação da Super V, outro que viria a se tornar campeão mundial de F1 (na verdade, tricampeão) competia nos carros nascidos do conceito de mecânica simples e barata: Nelson Piquet.

 

Nelson Piquet em prova da Super-V no Rio de Janeiro, em 1976 (crédito: Claudio Larangeira).

 

Por diversos problemas e dificuldades financeiras, a Fórmula Vee sofreu interrupções no Brasil e voltou em 2011 nas mãos do engenheiro Roberto Zullino, que reativou a fabricação dos pequenos bólidos movidos com peças de Fusca, Brasília e até de Kombi. E desde então não saiu mais das pistas.

 

A Fórmula Vee hoje


Hoje, a Fórmula Vee Brasil é administrada pelo empresário Flávio Menezes, dono da F/Promo Racing. Como forma ainda mais barata de competir, seguindo o principal princípio de seu criador, os pilotos hoje alugam os carros por corrida ou temporada. Uma equipe única garante custos menores de manutenção e preparação, gerando economia ainda maior aos competidores.

 

Flávio Menezes, diretor da FVee, durante treino em Interlagos (crédito: Fernando Santos).

 

Ao lado de Flávio Menezes está Wilson Fittipaldi Jr, agora como consultor técnico e instrutor de jovens pilotos. Pioneiro da categoria no Brasil há mais de 50 anos, Wilsinho também colabora no desenvolvimento de novos carros, com a contribuição do amigo e projetista Ricardo Divila. Juntos, retomam a parceria que levou à criação da única equipe brasileira na Fórmula 1, a Copersucar-Fittipaldi (1975-1982), que representou o auge na carreira como construtor e chefe de equipe de quem começou fabricando kart e depois passando por FVee, F3, F2 até chegar à F1.

 

À esquerda, Roberto Zullino, que reativou a FVee em 2011, com Wilsinho Fittipaldi (crédito: Fernando Santos).
À direita, Wilsinho Fittipaldi e Ricardo Divila: parceiros na F1 e agora na reformulação dos carros da FVee (crédito: Fernando Santos).

 

No Brasil, os FVee utilizam atualmente novo câmbio de cinco marchas e nova suspensão traseira independente, entre outras novidades, sem perder sua essência que a transformou na categoria mais popular do automobilismo mundial: o baixo custo.

Do antigo Fusca, pouco restou, como a suspensão dianteira. O motor passou a ser do Fox, com câmbio do Gol.

Aqui no site da Fórmula Vee Brasil você encontra mais informações e como competir na categoria.

 

 O Novo modelo da Fórmula Vee, com mudanças de câmbio e suspensão (crédito: Fernando Santos).

 

 

Venha fazer parte desta história!

 

 

 


Outras Notícias

© 2016-2020 FVee Brazil. Todos os direitos reservados. Designed by GroovePix.